Lula, de ‘louco’ a ‘gênio’ em contados 15 dias.


Lula, de ‘louco’ a ‘gênio’ em contados 15 dias | Brasil 247


Foto: Edição/247

QUANDO O HORÁRIO POLÍTICO NA TEVÊ COMPLETA DUAS SEMANAS, IMAGEM DO EX-PRESIDENTE LEVA CANDIDATO FERNANDO HADDAD, SUA MAIOR APOSTA, A DOBRAR DE TAMANHO EM SP; EM BH, PATRUS SOBE; LULA RESGATA A RETICENTE PRESIDENTE DILMA, A REBELDE SENADORA MARTA E ATÉ O PRESIDENTE DO PSB, EDUARDO CAMPOS; REPUTAÇÃO DE RAPOSA MAIS FELPUDA DA POLÍTICA BRASILEIRA ESTÁ SALVA

247 – Depois de estar seriamente ameçada, em razão do que pareceu uma teimosia, quase um capricho, a reputação de raposa mais felpuda da política brasileira está preservada para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com o peso de sua imagem, mesmo com menos cabelo e a voz em fase de recuperação, Lula fez o que prometeu: catapultou seu candidato a prefeito da maior cidade do País, Fernando Haddad, em São Paulo, do bolo dos sem chance para a briga direta pela entrada no segundo turno.

Mais ainda, em razão da escalada que patrocinou, Lula quebrou a resistência da senadora Marta Suplicy, que se recusava a entrar numa campanha que se anunciava inexpressiva, e trouxe para ainda mais perto de si a presidente Dilma Rousseff. Inicialmente, diante da perfomance pífia de Haddad antes do horário eleitoral, Dilma mandou avisar que não iria participar da campanha. Mais tarde, com a aproximação da inauguração dos programas políticos, fez saber que participaria pontualmente, mas não mergulharia de cabeça em nenhuma delas. De quebra, na polêmica instalada pelo ex-presidente Fernando Henrique, Dilma fez profissão de fé inquestionável a favor de Lula, numa nota oficial elegante e, ao mesmo tempo, desconcertante para os tucanos (leia abaixo).

Agora, quando o ex-ministro da Educação de Dilma (e de Lula) aparece nas pesquisas com o dobro das intenções de voto que tinha antes de ser conhecido como 'o candidato do Lula', Dilma tomou ontem o avião da Presidência da República para almoçar com Lula e combinar, nos termos do ex-presidente, sua participação na campanha.

Pelo Brasil, Lula também colhe uma grande vitória, a esta altura da eleição, quando o candidato a prefeito de Belo Horizonte que, a exemplo de Haddad, ele impôs ao partido, o ex-ministro Patrus Ananias dá um salto de sete pontos nas pesquisas e passa a consolidar um cenário de segundo turno na terra do tucano Aécio Neves. Apesar da trombada de frente com o governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, consumada com o lançamento do igualmente seu ex-ministro Humberto Costa à Prefeitura de Recife, Lula outra vez vai se saindo bem. Ele convidou, e Campos já aceitou participar de um ato público pró-Haddad em São Paulo. E ainda fez frase para dizer que jamais pensou – e pensou – em trair sua aliança com o ex-presidente: "Jamais me distanciei de Lula", disse Campos.

Sem ter olhos azuis, corpo esguio, português escorreito e, neste momento, caneta para nomear e exonerar, o que todos veem em Lula são os votos que ele carrega – e sua força política, a esta altura das eleições municipais, ainda que seus candidatos não vençam os respectivos pleitos, está confirmada. Com o baiano, como todos o chamavam nos seus tempos de líder metalúrgico no ABC, não se brinca.

Abaixo, nota oficial da presidente Dilma Rousseff em resposta ao ex-presidente Fernando Henrique e em defesa da gestão de Lula e seu jeito de atuar:

"Citada de modo incorreto pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em artigo publicado neste domingo, nos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo, creio ser necessário recolocar os fatos em seus devidos lugares.

Recebi do ex-presidente Lula uma herança bendita. Não recebi um país sob intervenção do FMI ou sob a ameaça de apagão.

Recebi uma economia sólida, com crescimento robusto, inflação sob controle, investimentos consistentes em infraestrutura e reservas cambiais recordes.

Recebi um país mais justo e menos desigual, com 40 milhões de pessoas ascendendo à classe média, pleno emprego e oportunidade de acesso à universidade a centenas de milhares de estudantes.

Recebi um Brasil mais respeitado lá fora graças às posições firmes do ex-presidente Lula no cenário internacional. Um democrata que não caiu na tentação de uma mudança constitucional que o beneficiasse. O ex-presidente Lula é um exemplo de estadista.

Não reconhecer os avanços que o país obteve nos últimos dez anos é uma tentativa menor de reescrever a história. O passado deve nos servir de contraponto, de lição, de visão crítica, não de ressentimento. Aprendi com os erros e, principalmente, com os acertos de todas as administrações que me antecederam. Mas governo com os olhos no futuro.

Dilma Rousseff

Presidenta da República Federativa do Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vereador Adriano Coelho realizaram Ação e cidadania no Bairro do Curio Utinga no sábado dia 30/0920017.

Equipe do Mandato e voluntários da  Ação no Curio Utinga. Comunidade do Curio Utinga e voluntários da Ação. Vereador Adriano coelh...