quarta-feira, 9 de abril de 2014

As pedras no caminho da corrida eleitoral no Pará - Parte I



Não precisa ser um cientista político e nem especialista em marketing eleitoral para perceber que há 03 meses de uma difícil campanha eleitoral, os principais partidos que se enfrentarão nas urnas paraenses - PSDB e PMDB - terão que se mexer mais estratégica do que fisicamente.

Do lado tucano, as conversas para manter o alinhamento de prefeitos, parlamentares e lideranças de partidos que fazem parte tanto da base do governo Jatene (Estadual), quanto do governo Dilma (Federal) é o principal desafio dos cardeais do PSDB.

Com o anúncio de que ex-prefeito Duciomar Costa pode ser o candidato do PTB, as coisas pioram pro PSDB que precisa acumular o máximo de apoio de quem ainda está como aliado, mas o peso das negociações gera desconforto no já disputado ninho tucano. Não era à toa que Simão Jatene não queria quebrar sua promessa de que nunca seria candidato à reeleição.

Sabedor das dificuldades que terá pela frente, pelos lados e internamente, o governador foi praticamente obrigado a manter seu nome na disputa, mas pode surpreender e fazer como fez na campanha de Almir Gabriel em 2006, frustrando os tucanos que lhe cercam com o seu conhecido corpo-mole, que fez com que Almir o apelidasse de preguiçoso.

Vários motivos colaboram para esta afirmação, entre os quais, a de que o governador está em tratamento de uma doença e tanto seus médicos, quanto sua família lutam para que ele poupe-se de estresses, viagens cansativas e do pesado ritmo que toda campanha eleitoral requer.

Do lado do PMDB, mesmo com o aceno de sete partidos para o apoio a Helder Barbalho, a maioria da base partidária do PT terá dificuldade em defender a aliança eleitoral, aprovada no último encontro no fim do mês passado. Não fizeram antes, não fazem agora e com uma candidatura do PSOL colocando o PT, o PMDB e o PSDB no mesmo saco, se não houver uma boa estratégia para o programa de governo que envolva os milhares de petistas que não estão tranquilos com a aliança, muitos não irão pro front como se espera.

Além de uma ação planejada que inicie o convencimento de importantes dirigentes e militantes que fazem a diferença em qualquer eleição, é possível vermos, principalmente na região metropolitana de Belém, apenas o pessoal contratado para balançar bandeiras azuis nas esquinas.


Com um programa de governo ainda indefinido e sem data e nem equipe para elaborá-lo, a candidatura de Helder Barbalho perde um tempo precioso para penetrar ainda mais nas entranhas do eleitorado que não vota de jeito nenhum em Jatene e/ou aquele que está insatisfeito com a falta de resultados de mais um governo tucano no Estado do Pará.  

Em nome do partido



A nota acima publicada no cabeçalho da famosa coluna Repórter Diário, do jornal Diário do Pará deste domingo (06), traz uma informação que este blogueiro já havia ventilado em conversas com amigos mais próximos, mas foi descartada por todos que a ouviram. 

Como um deputado vai deixar sua reeleição quase certa para servir aos interesses do seu partido? Essa foi a principal indagação que me eram devolvidas ao prever que o deputado estadual Parsifal Pontes (PMDB) seria o coordenador da campanha de seu partido, tão logo o PT fechasse o apoio ao candidato ao governo do Pará, o ex-prefeito de Ananindeua e atual presidente da FAMEP, Helder Barbalho. 

Parsifal Pontes é inegavelmente um dos mais destacáveis oradores e formuladores políticos do PMDB paraense. Em seu primeiro mandato, teve participação e influência notáveis na defesa e depois na oposição ao governo petista de Ana Júlia. Agora, empoderado pela cúpula pmdebista para coordenar a campanha de Helder Barbalho, é sem dúvida um dos nomes mais fortes e o mais apropriado para a tarefa. 

Abrir mão de seu mandato e de seu provável reeleição é uma atitude louvável e para poucos parlamentares, que muitas vezes tomam pra si o mandato que geralmente é conquistado de forma coletiva e tão logo o assumem, deixam para trás todos os que lhe ajudaram. Exemplos não faltam e também quase sempre não duram por muito tempo na vida parlamentar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário